Rate this post

1. Roupa sustentável: onde as pessoas importam


A moda sustentável é aquela que tem em conta os três pilares em que se baseia a chamada responsabilidade social empresarial: o respeito pelas pessoas que trabalham, a proteção do meio ambiente e, além disso, é economicamente sustentável. Na moda solidária, o respeito às pessoas é uma parte essencial: os trabalhadores devem ter condições dignas de emprego e a criação de uma marca que favoreça a economia e a produção local, assim como a recuperação de empregos.


A moda sustentável inclui, portanto, a roupa ecológica, criada a partir de matérias-primas e métodos que respeitam o planeta. Mas também incorpora uma vertente de vestuário com reciclagem de outras matérias (chamada de upcycling) e roupas artesanais, vintage ou a chamada moda inteligente, onde o cuidado de os trabalhadores do setor é essencial.


2. Roupa que se preocupa com o planeta


A moda sustentável utiliza matérias-primas produzidas por meios biológicos; entre elas, fibras cultivadas sem pesticidas ou herbicidas, como o algodão orgânico e cânhamo. Mas há muitos mais tecidos sustentáveis. Existe roupa criada a partir da celulose de árvores e até há um aumento muito grande de materiais de substitutos do couro, como os chamados couros vegetais feitos a partir de abacaxi e os cogumelos.


Mas, além das matérias-primas, a moda sustentável biológica também tem em conta os processos de produção para reduzir o consumo de água e a poluição com o uso de corantes naturais. Também se preocupa em reduzir as emissões de dióxido de carbono (CO2) nas áreas de marketing e distribuição.


O importante é que todos estes materiais biológicos estejam certificados, oferecendo ao consumidor uma garantia de que sua produção é gentil com o planeta e com seus trabalhadores e que protejam o meio ambiente silvestre e humano.

Imagem: IlyaShapovalov

3. Roupas que reduz desperdício


A roupa solidária tem uma vertente chamada de reciclagem ou upcycling, um conceito baseado em peças criadas através da reciclagem de materiais que de outra forma acabariam no lixo.


A moda solidária dá um valor acrescentado para os resíduos. Cria bolsas a partir de pneus ou de anilhas das latas de refrigerantes ou roupa a partir de outras peças que seriam descartadas. Mesmo usa plásticos e antigas redes de pesca.


4. Moda que protege a cultura


A roupa solidária também tem em consideração o valor de artesanato e o papel cultural de seus trabalhadores manuais: tem muito em conta a recuperação de técnicas ancestrais, que de outro modo se perderiam e o valor das coisas feitas por artesãos. Em outras ocasiões, a moda solidária torna-se mais vintage e recuperação de peças antigas.


5. Calças mais democráticos


A venda de peças de segunda mão, até mesmo a troca de roupa entre particulares, também faz parte da moda solidária, já que protege a economia local. O que você precisa, você pode vender parte de sua roupa, um dispositivo de baixo custo, que promove um tipo de economia mais horizontal e solidária.


Além disso, é uma opção mais barata para o consumidor. A moda sustentável também deve ser economicamente sustentável: é importante que fomente a economia local e seja transparente.


6. Quando a roupa é inteligente


A moda solidária não fica atrás das tendências. Assim, também abraça a chamada smart fashion , ou moda inteligente. As peças solidárias inteligentes incorporam a idéia do bem comum, com a ajuda da tecnologia.


Neste sentido, existe a roupa repelente, com fibras que evitam as picadas dos mosquitos-que tantas doenças perigosas pode transmitir, como o zika ou a dengue-, antimanchas ou que favorecem a circulação sanguínea.

Imagem: Denisfilm

7. Um armário responsável


Para vestir-se de forma mais sustentável, o primeiro que há que fazer é praticar um consumo de peças responsável: buscasse apenas a roupa de que necessita. Além disso, para conseguir um guarda-roupa mais sustentável, há que optar por peças de vestuário que usam tecidos biológicos, marcas locais. O outro conselho? Compre as peças de roupas que sirvam de fundo do armário e que possa combinar mais vezes.


8. A roupa eco não sai de moda


A moda sustentável é uma moda atemporal que nunca sai de moda. Deve-Se adaptar a moda ao estilo da pessoa: é essencial comprar peças de qualidade, pois isso influencia na durabilidade. E isso é uma característica da moda solidária.


9. Um armário solidário, e barato


Desfrutar de um guarda-roupa mais sustentável e economizar no caminho é possível. Primeiro de tudo, faça uma análise de seu guarda-roupa e fique somente com o que vale a pena.


E o que fazer com o que não? Há duas opções. A primeira, trocar essas peças por outras peças de vestuário, entre amigos, conhecidos ou em lojas de segunda mão. E a segunda opção para vestir-se de forma solidária e economizar é personalizar ou modificar a roupa. Às vezes uma peça nos amam, mas já não nos fica bem ou tem uma parte muito desgastado. Então poderemos, a partir de algumas de suas peças reconvertirla em outra! Estas são ações que fazem economizar muito no vestiário.


10. Comprar (e vestuário) solidariedade


Isso não quer dizer que a moda solidária implique não comprar roupas novas. Ao contrário. Significa apostar por um consumo de moda mais racional. Podem-Se comprar peças que sejam multifuncionais, ou seja, pôr de várias formas diferentes e têm projetos diferentes, o que quase leva a ter várias peças em uma só.


Outro conselho para se vestir de forma mais solidária e racional, é comprar roupas que serve de fundo do armário e que, ao combiná-lo, permita ter diferentes looks.


 

10 chaves para entender e praticar a moda solidária